Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Publicidade RML

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
   
Capa
Entrevistas
Equipe
Mural
News
Contato
Reviews
CD's
DVD's
Demos
Magazines
Shows
Multimídia
Fotos
Links
Bandas
Zines
Gravadoras
Rádios
Diversos

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
Untitled Document
 
 

Versão para impressão .

Enviar por e-mail .

Receber newsletter .

Versão PDF  .

Relatar Erro [erro]

 

News

ALTERA O
TAMANHO DA LETRA
 

Recife Metal Law - O seu portal de informação!

 

Collab: homenagem ao Death reúne Antonio Araújo, Bruno Sutter, Bobby Koelble e Wagner Campos



Os músicos Antonio Araújo (guitarra, Korzus, Lockdown e Matanza Ritual), Bruno Sutter (baixo e vocal) e Wagner Campos (bateria, ex-Decomposed God, Invisible Control) se uniram numa ‘collab’ da quarentena em homenagem ao Death. A faixa-título do icônico álbum “Symbolic” foi executada pelos músicos brasileiros ao lado do guitarrista Bobby Koelble (Death, Death DTA), que gravou o sexto disco de estúdio do Death, lançado em 1995. Na época de “Symbolic”, a formação trazia, além de Koelble, o saudoso Chuck Schuldiner (vocal e guitarra), Kelly Conlon (baixo) e Gene Hoglan (bateria).

Veja o vídeo da ‘collab’ de “Symbolic”, editado por Diego DoUrden (Dark Side Studios), clicando aqui.

Criador do Death Tribute, banda que prestava tributo à obra de Chuck Schuldiner, Bruno Sutter não esconde a emoção: “Foi muito emocionante pra mim participar de uma produção como essa com o próprio integrante que tocou o disco. Estou muito feliz por isso, pois quem me conhece sabe o quanto o Death e o legado de Chuck Schuldiner são importantes para minha educação musical”.

Já o guitarrista Antonio Araújo conta que “depois do lançamento oficial do EP do Lockdown, projeto de death metal ao lado de João Gordo (R.D.P.), Rafael Yamada (baixo, Claustrofobia e ex-Project 46) e o baterista Bruno Santin (Endrah), fazer essa ‘collab’ de ‘Symbolic’ foi um prazer enorme”. Além de o Death ser de extrema importância em sua vida musical, o guitarrista enfatiza que tocar com grandes músicos e amigos foi incrível. “Wagner Campos já tocou comigo no Chaosphere, de Recife (PE), e o considero um dos melhores bateristas do Nordeste. Bruno Sutter, por sua vez, criou o Death Tribute, em que homenageava a obra de Chuck Schuldiner e era fenomenal ao vivo”, conclui.

Mais informações: www.asepress.com.br/music
 
 
Busca no site
 
Veja tambm