Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Publicidade RML

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
   
Capa
Entrevistas
Equipe
Mural
News
Contato
Reviews
CD's
DVD's
Demos
Magazines
Shows
Multimídia
Fotos
Links
Bandas
Zines
Gravadoras
Rádios
Diversos

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
Untitled Document
 
 

Versão para impressão .

Enviar por e-mail .

Receber newsletter .

Versão PDF  .

Relatar Erro [erro]

 

Entrevistas

ALTERA O
TAMANHO DA LETRA
 

Recife Metal Law - O seu portal de informação!

 

GODZORDER



Fazer Thrash Metal fugindo dos estereótipos do estilo é algo bem difícil, pois é um dos estilos mais apegados à forma ‘old school’ de se fazer. Quando se foge disso, ou se faz bem feito, ou corre o risco de ser taxada de uma banda ‘modernosa’, e que não honra as raízes. O Godzorder foge do estilo ‘old school’ de se fazer Thrash Metal, mas faz uma sonoridade tão bem feita, tão pesada e agressiva, que não foge do estilo. É Thrash Metal, e dos bons, feito por quem entende e que não se agarra (mesmo tendo algumas passagens que nos remetem as raízes do estilo) ao que fora feito no passado, em demasia. A banda surgiu em 2013, porém, de 1992 a 2008, atendia pelo nome de Stupid Vision. Dessa banda restou apenas o baixista/vocalista Rafael “Barba”, que hoje é acompanhado por Marco Mingote (bateria) e Gustavo Salles (guitarra). Mas sobre a banda, na entrevista a seguir.

Recife Metal Law – O que restou do Stupid Vision – além de alguns integrantes – para o que veio a ser o Godzorder?
Rafael “Barba” –
Na verdade, de ex-integrante restou apenas eu. No mais, restaram algumas músicas que não chegaram a ser oficialmente gravadas ou lançadas e vários fragmentos de ideias, letras, riffs e melodias que ainda serão usados nesse atual projeto, já que a proposta musical se manteve a mesma.

Recife Metal Law – O nome Godzorder chega a lembrar o fictício Godzilla. O monstro dos cinemas tem um poder devastador. Então, partindo desse pensamento, o nome dado à banda tinha por finalidade descrever o que os músicos estavam pensando em termos de sonoridade?
Rafael –
Eu procurava um nome que representasse força e respeito e que fosse, ao mesmo tempo, meio controverso, sagrado e profano, juntos... Ordem e caos, para que se identificasse em qualquer situação. Então pensei nas palavras “God’s order” e “Go disorder”, que tem a pronúncia bem parecida e resumem o contexto que eu procurava. Mas ainda precisava transformar isso em um nome, então a letra “Z” substituindo o “S” fundiu as duas expressões numa única palavra que até então não existia... Godzorder!

Recife Metal Law – O primeiro trabalho da banda é o devastador EP “Obey”. Mesmo sendo uma banda que tem músicos que beberam na fonte ‘old school’ do Thrash Metal, a sua musicalidade não se prende aos clichês do estilo. Como foi o processo criativo para as músicas do EP? Houve a preocupação de não querer soar ‘old school’?
Rafael –
As músicas desse EP foram recicladas do antigo Stupid Vision, mas passaram por uma repaginada a fim de que soassem como algo mais contemporâneo, porém sem perder a essência da proposta da banda. Atentamo-nos, sim, a esse lance quando compomos. Tudo que soa datado ou rotulado acaba não se destacando e se torna apenas mais do mesmo.

Recife Metal Law – As músicas desse EP são realmente empolgantes, pesadas, ríspidas e velozes, e tudo isso encontrado em cada música. Inserir todos esses elementos se mostra essencial para que o Thrash Metal respire um pouco e mude um pouco o seu caminho?
Rafael –
Sim, claro. Acho que fugir um pouco do ‘óbvio’ é fundamental para tentar se reinventar e evoluir dentro de um estilo. Tudo está evoluindo, e muito rápido! É perda de tempo ficar insistindo e investindo em algo que já está saturado ou ultrapassado.

Recife Metal Law – Toda a parte lírica e musical foi escrita por você. Por que os demais músicos não participaram do processo criativo do EP?
Rafael –
Porque essas músicas já existiam. Como a ideia inicial desse projeto era voltar com o Stupid Vision, e sendo eu o único integrante remanescente, propus aos outros músicos tocar o que já estava pronto para adiantar o processo e também para que todos absorvessem e entendessem a proposta musical que eu queria manter.

Recife Metal Law – Sobre a parte lírica, como não poderia deixar de ser, é bem crítica, mas escrita de forma bem inteligente. Existe um tema principal para as letras ou alguma mensagem que a banda pretende transmitir para o seu público?
Rafael –
Não abordamos um tema conceitual até então. Escrevemos sobre o que somos, o que sentimos, o que vemos e vivemos, enfim... Mas de uma forma que faça com que outras pessoas se identifiquem com o que está sendo falado nas letras, como uma forma de dizer que ninguém está sozinho em determinada situação, que mais gente passa ou já passou por isso ou aquilo. A ideia é passar sempre uma energia positiva para o público e que a banda seja retribuída da mesma forma.

Recife Metal Law – A capa de “Obey”, apesar do simbolismo, é de fácil interpretação, ainda mais quando se junta imagem ao título. Infelizmente no meio Heavy Metal existe uma parcela conservadora, que vai de encontro a tudo o que o Heavy Metal significa. Vocês chegaram a receber algum tipo de crítica pela capa, em se tratando do público Heavy Metal?
Rafael –
Sim, várias críticas. Mas todas positivas, elogiando a arte dessa capa, pelo menos até agora! (risos)

Recife Metal Law – Antes do lançamento do EP, o Godzorder lançou um single, “Trademark”. Por que essa música não foi disponibilizada no EP?
Rafael –
Porque não faria sentido, uma vez que a música já havia sido lançada oficialmente como single. Junto com o Adair (produtor) chegamos a cogitar a hipótese de regravá-la ou incluí-la como ‘bonus track’, mas,
segundo ele, de qualquer forma iria descaracterizar a proposta do EP. Então decidimos por deixá-la de fora.

Recife Metal Law – “Obey” foi lançado no formato digital. Em tempos atuais isso é praticamente uma obrigação, mas como músicos com vários anos de estradas vêem todo esse avanço da tecnologia sobre a música?
Rafael –
Uma tremenda vantagem por um lado e uma tremenda desvantagem por outro. Temos que aprender a usar a tecnologia como aliada desse meio de trabalho, pois o músico ou banda que não se adapta a essa era digital e tecnológica, está destinado a ficar preso no passado junto com sua arte, sua obra, tendo seu sucesso mantido apenas por saudosistas que ainda mantém a música como produto físico. Eu mesmo ainda me encontro numa fase de ‘transição’ nesse meio. Tem coisas que ainda me recuso a aceitar, outras que ainda não entendo... Já mudei muitos conceitos pra me readaptar ao mundo musical de hoje, mas confesso que ainda estou meio perdido. (risos)

Recife Metal Law – O EP foi lançado ano passado e causou um grande impacto na mídia especializada e meio Underground. Então, o que se esperar dos próximos passos do Godzorder? Um full lenght já está em pauta?
Rafael –
O foco ainda é continuar promovendo o EP de todas as formas possíveis e disponíveis a fim de chegar até onde esse trabalho consiga nos levar. Estamos com a intensão de ainda fazer um vídeo clipe de uma das músicas do EP e, em meio a tudo isso, novas composições para um (já muito requisitado!) full lenght já estão sendo trabalhadas.

Site: www.facebook.com/godzorder

Entrevista por Valterlir Mendes
Fotos: Divulgação & Metal no Pombal Produções Espetaculares

 
 
Busca no site
 
Veja tambm