Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Publicidade RML

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
   
Capa
Entrevistas
Equipe
Mural
News
Contato
Reviews
CD's
DVD's
Demos
Magazines
Shows
Multimídia
Fotos
Links
Bandas
Zines
Gravadoras
Rádios
Diversos

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
Untitled Document
 
 

Versão para impressão .

Enviar por e-mail .

Receber newsletter .

Versão PDF  .

Relatar Erro [erro]

 

Entrevistas

ALTERA O
TAMANHO DA LETRA
 

Recife Metal Law - O seu portal de informação!

 

NEOGENESE



O Neogenese surgiu em 2005, no interior do Paraná: São José dos Pinhais. Mesmo com mais de uma década de formação, a banda não tem seu nome muito divulgado no meio Heavy Metal, algo que o grupo vem trabalhando incansavelmente para mudar. Em sua discografia consta o primeiro full lenght, homônimo, o qual continua a ser divulgado. O trabalho foi lançado de forma independente, com bastante sacrifício, obstáculos, mesmo assim o Neogenese conseguiu o seu intuito principal, que era ter um full lenght lançado. A seguir um dos fundadores, Benito Cordeiro (guitarra e atualmente vocal), fala sobre o ‘debut’, um pouco da história da banda, percalços superados, entre outros tópicos...


Recife Metal Law – A palavra “neogênese”, com o acento circunflexo, significa regeneração de tecidos. Mas por qual razão vocês nomearam a banda com a palavra sem o acento?
Benito Cordeiro –
Realmente tem esse significado, mas etimologicamente significa “novo começo”. Usamos sem o acento para ficar algo mais internacional. (risos)

Recife Metal Law – A banda teve início em 2005, com você no baixo e Maicon Menta na bateria. Quando finalmente o Neogenese teve uma formação completa?
Benito –
Em 2005 mesmo tínhamos uma formação completa, mas preferimos resumir toda a história, pois a rotatividade de integrantes era muito grande, e tivemos vários hiatos por falta de integrantes. Eu mesmo fui tocar guitarra e, inclusive, cantei um tempo, porque não tinha guitarrista e vocalista. Recentemente tivemos mais uma mudança de formação: nosso baixista passou para a segunda guitarra, e recrutamos outro baixista.

Recife Metal Law – Qual o nome do novo baixista?
Benito –
Nosso novo baixista é o Jesse Pereira

Recife Metal Law – E como foram criadas as primeiras composições? Nota-se que o som da banda é bastante influenciado pelos grandes nomes do Heavy Metal tradicional.
Benito –
Surgiu na brincadeira. Nos tempos vagos (que na época eram muitos) eu e o Maicon nos juntávamos e ficávamos brincando com alguns riffs, e quando vimos já tinha duas músicas praticamente prontas. Então as músicas vieram antes da banda, pois éramos apenas nós dois. Tanto eu quanto o Maicon crescemos ouvindo muito Heavy Metal por causa dos irmãos mais velhos, e os demais integrantes atuais também tem uma boa escola no Metal. Mesmo que haja gostos um pouco diferentes, no Heavy tradicional todos nós entendemos.

Recife Metal Law – No release da banda existe a informação de que vocês procuram mesclar influências do Heavy Metal dos anos 80 e 90 à sonoridade do Neogenese? Quais são os estilos musicais e bandas que mais exercem influência a sonoridade de vocês?
Benito –
Todos nós ouvimos muita coisa e tudo influencia direta ou indiretamente. Nas nossas músicas tem desde uma balada Metal até pegadas Thrash, passando pelo Heavy tradicional. Uma banda que faz isso, de tocar simplesmente Metal, é o Iced Earth, e suas influências são muito variadas, assim como as nossas.

Recife Metal Law – O nome da banda, apesar de ter uma década de formação, ter participado de coletâneas e lançado um EP, não é tão divulgado no meio Heavy Metal nacional. A que se deve isso?
Benito –
Principalmente falta de integrantes, o que fez a gente parar várias vezes. Era difícil divulgar uma banda que ficava mais parada do que ativa, acabava desanimando. Eu cheguei a ficar sozinho na banda, e essa foi a melhor parte, porque depois de um tempo sem contato encontrei o Maicon e o irmão dele, Diego, que era o baixista, e convenci os dois a tocar novamente. Aí voltamos com tudo, decididos a elevar o nome Neogenese.

Recife Metal Law – Ano passado a banda lançou o seu primeiro álbum, homônimo. A meu ver, pelo tamanho do disco e número de músicas, esse trabalho poderia ter saído no formato EP. Por que lançar um full lenght com tão pouco tempo de duração e com tão poucas músicas?
Benito –
Não é só isso, ele poderia ter saído com mais qualidade. A ideia era ter oito músicas. Saiu assim porque queríamos lançar logo um material, e tivemos vários atrasos nas gravações. A gente tinha acabado de juntar a banda de novo e estávamos animados, inclusive surgiram duas novas músicas e fizemos duas apresentações aqui na nossa cidade. A formação era eu na guitarra e vocal, Maicon Menta na bateria, e Diego Menta no baixo. A bateria, o baixo e a guitarra base de quatro músicas estavam gravadas e eu comecei a gravar o vocal de duas delas. Como não ficou bom, recrutamos o Tiago para cantar, e isso atrasou um pouco as gravações, pois ele tinha que pegar as músicas. Em seguida chamamos o Marlon Cerqueira para a guitarra solo, e isso atrasou mais um pouco. Por fim, só tínhamos quatro músicas e queríamos lançar logo, então eu usei duas músicas já gravadas anteriormente e não lançadas para finalizar o disco, ambas com o meu vocal. Então, resumindo: lançamos assim porque ficamos afobados para lançar algo logo, e não chamamos de EP, porque já estava tudo certo para ser um full lenght.

Recife Metal Law – A parte instrumental do álbum é bem coesa, com músicos construindo bem as músicas, mas os vocais de Tiago Souza não mostraram a força que as músicas têm. Faltou mais ‘punch’ e, a meu ver, mais experiência por parte do Tiago. O que vocês têm a dizer sobre isso?
Benito –
Isso se deve ao que eu falei na resposta anterior. Ele teve pouco tempo para pegar as músicas, e a gente acabou apressando o processo. Com mais tempo, com certeza, teria ficado melhor. Ele é um baita vocalista, já fez vários shows e inclusive gravou com bandas anteriores.

Recife Metal Law – Com relação a gravação, ela ficou um pouco abafada, mas não chega a atrapalhar o desempenho do instrumental. Como foi trabalhar em estúdio para esse álbum?
Benito –
Tentamos tirar o melhor de cada instrumento no processo de gravação, mas há estúdios e estúdios. Nesse caso, não gravamos num estúdio que tem mais sensibilidade com o Metal, mas as próximas gravações serão num estúdio mais voltado ao nosso estilo.
Foi cansativo pela demora devido aos atrasos, mas no fim é sempre bacana ver a cria pronta.

Recife Metal Law – A parte gráfica também não teve o cuidado de um full lenght, vindo demasiadamente simples, parecendo encarte de uma simples Demo. Acredito que o que mais atrapalhou no resultado final foi trabalhar de forma independente e ter poucos recursos. Estou certo?
Benito –
Eu acho engraçado isso, porque se tivéssemos grana para lançar em vinil, a capa seria considerada algo foda. A capa é genial, feita pelo então guitarrista Marlon Cerqueira. As cópias são simples sim, e nisso você está certo. É pela dificuldade de se fazer algo de forma independente. Optamos em fazer assim, para que nosso material chegasse a todos os cantos. Se fosse uma Demo, acredite, não teria essa qualidade, e nem tampouco uma capa fudida dessas.

Recife Metal Law – Mas eu não falei da capa, da arte da capa, mas da parte gráfica, como um todo, tendo em vista que o encarte é simples, sem letras, entendeu?
Benito –
Claro que entendi. Apenas ressaltei que infelizmente pode passar batida a arte por conta disso. Mas como eu disse, achamos melhor fazer mais simples, para poder chegar a mais pessoas.
 
Recife Metal Law – Uma das músicas que mais me chamou a atenção foi “Out in the Fields”, onde os vocais do Tiago até que se saíram bem. Existe alguma mudança da banda tocando ao vivo para o que podemos ouvir saindo do estúdio?
Benito –
Estúdio é estúdio, ao vivo é ao vivo. Tocar exatamente como está no disco, de forma mecânica, tira a alma da coisa. Tudo num show influencia no que a banda está executando. Nenhum show sai igual ao outro. Como disse Heráclito: “Um homem nunca entra duas vezes num mesmo rio”.

Recife Metal Law – A parte lírica procura tratar de assuntos relacionados a pesadelos, angústias, histórias medievais, etc. Como foram criadas as letras para esse trabalho e quem é o principal letrista da banda?
Benito –
Eu escrevi muita coisa, o Diego e o Maicon também, e a maior parte mesmo foi escrita em conjunto por nós três. Surgia uma ideia, um levava para os outros, e íamos trabalhando em cima disso.

Recife Metal Law – O que esperar do Neogenese de agora por diante?
Benito –
O que todos podem esperar é muito empenho de nossa parte, tanto nas gravações, quanto nos shows, para fazer um som com qualidade para os que curtem. E esperamos alcançar novos ares, lançar material novo e divulgar nosso trabalho onde for possível.

Site: www.facebook.com/Neogenese

Entrevista: Valterlir Mendes
Fotos: Divulgação

 
 
Busca no site
 
Veja tambm