Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Publicidade RML

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
   
Capa
Entrevistas
Equipe
Mural
News
Contato
Reviews
CD's
DVD's
Demos
Magazines
Shows
Multimídia
Fotos
Links
Bandas
Zines
Gravadoras
Rádios
Diversos

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
Untitled Document
 
 

Versão para impressão .

Enviar por e-mail .

Receber newsletter .

Versão PDF  .

Relatar Erro [erro]

 

Entrevistas

ALTERA O
TAMANHO DA LETRA
 

Recife Metal Law - O seu portal de informação!

 

HEAVENLESS



O Heavenless surgiu na segunda potiguar (e extremamente quente) de Mossoró, em 2016, trazendo músicos de Monster Coyote e Bones In Traction: Kalyl Lamarck (baixo e voz), Vicente Andrade (bateria) e Vinicius Martins (guitarra). Sem muita demora e no ano seguinte lançaram, de cara, o seu primeiro full length, de forma digital e, posteriormente, pelo selo conterrâneo Rising Records. “Whocantbenamed” serviu para mostrar a musicalidade do Heavenless, que foge dos estereótipos do Deathcore, estilo que supostamente a banda se encaixa. A banda vem fazendo diversos shows pelo país, inclusive tocará novamente em Pernambuco, dessa vez no tradicional Abril Pro Rock. A seguir, um pouco mais sobre a banda...


Recife Metal Law - Quero começar pelo nome da banda e o título do primeiro álbum. Primeiro sobre o nome da banda. Heavenless vem a significar “Sem Céu”, numa tradução livre? Houve alguma razão em particular para se usar esse nome?
Kalyl Lamarck -
Preliminarmente, me permita agradecer ao apoio que este portal sempre deu ao Heavenless e ao Metal potiguar! Sentimo-nos honrados em prestar mais esta entrevista ao Recife Metal Law! O nome Heavenless é um neologismo que a gente utilizou em referência a ‘homeless’, que os americanos chamam ‘os sem-tetos’. Para nós, a tradução seria mais ou menos como “aquele que não tem paraíso”, ou melhor, uma desmistificação da crença de que ao fim tudo estará bem... Afinal, acreditamos que viver é muito mais implacável do que os escritos religiosos supõem.

Recife Metal Law - Por que “Whocantbenamed”, ao invés de separar as palavras?
Kalyl -
Para ficar difícil da imprensa entender o nome! (risos) A gente diz que é estético, menos rebuscado, mas na verdade foi só para caber na diagramação da capa do disco mesmo...

Recife Metal Law - Esse primeiro álbum da banda foi lançado no início de 2017, primeiramente no formato digital e depois fisicamente pela Rising Records. O lançamento digital se deu em razão de a banda, na época, ainda não contar com suporte de algum selo?
Kalyl -
Não! Em verdade a produção do disco leva a uma série de terceirizações. Uma delas é a fábrica para prensagem que, em média, demora de 30 a 90 dias para nós, potiguares. Como lançar em janeiro era importante para nós, por conta de turnês e sazonalidade de alguns festivais que almejávamos tocar, fatalmente fomos forçados a liberar inicialmente o formato digital de forma a aproveitar o momento, que posteriormente se mostrou uma decisão acertada e que nos rendeu excelentes frutos.

Recife Metal Law - E como surgiu a oportunidade de trabalhar com a Rising Records? O trabalho de divulgação do selo era o esperado pela banda?
Kalyl -
Luciano Elias, capitão da Rising Records, é nosso parceiro de longa data. Já trabalhou com o Bones In Traction no lançamento do “...In The Dock...” (2014) e não titubeou quando soube que estaríamos envolvidos em um novo projeto. Foi quem primeiro apostou na banda, mesmo sem ouvir nenhum som; acreditou no potencial e a gente é extremamente grato por esse apoio inicial, que nos foi fundamental.

Recife Metal Law - Antes do Heavenless, os seus músicos tocavam em bandas como Monster Coyote e Bones In Traction. Então, como surgiu a oportunidade de trabalharem juntos e construir a musicalidade do Heavenless?
Kalyl -
Nós nos conhecíamos da cena Metal local e a admiração era mútua pela forma que cada um sempre se engajou com os projetos anteriores. Isso foi o ‘estopim’ para nos unirmos e montar uma banda, pois buscávamos, os três, um grupo que os esforços fossem homogêneos e as personalidades se complementassem. De cara, já no primeiro ensaio, vimos que a ‘liga’ era muito forte e isso teve como resultante um ritmo de trabalho tão intenso e jamais vivenciado por nós anteriormente.

Recife Metal Law - Sem muito papo, a banda partiu direto para um full lenght. De quando são as músicas do disco de estreia e como elas foram compostas?
Kalyl -
O Heavenless não teve preliminares. A gente já sabia o que queria e tínhamos na mão a ferramenta de 10/15 anos de escola dos três no meio de produções musicais. Esse cabedal nos motivou a imprimir um ritmo muito acelerado nas composições, e não tinha como deixar nenhuma de fora, daí concebemos direto em um full lenght.

Recife Metal Law - Sobre a sonoridade da banda, ela é rotulada como Deathcore, mas pouco se ouve de Hardcore nesse primeiro disco. A ênfase é maior no Death Metal, passagens densas, em meio tempo e muito peso. Sendo Deathcore um estilo não muito bem visto por uma parcela mais ortodoxa dentro do Heavy Metal, como vocês procuram trabalhar a divulgação no que se diz respeito ao estilo do Heavenless?
Kalyl -
A gente precisa ouvir bastante coisa para formatar as composições, e vemos na rotulação uma ferramenta essencial para buscar padrões na música, sobretudo pela intensa massificação de informações que a geração da internet trouxe. As novas músicas vão mostrar um pé forte fincado no Doom, Death e Hardcore.

Recife Metal Law - Qual foi a temática lírica que vocês procuraram abordar nesse disco de estreia? Existe uma temática principal a ser abordada pela banda?
Kalyl -
As letras são elucubrações da minha infância que, por ter vivido até 10/12 anos em forte contato com o sertão, além de ser neto de curandeira, vivenciei de perto o medo do sertanejo, sendo reforçado através de contos macabros escondidos por trás de uma forte religiosidade. Assim, o conjunto lírico traz a poetização desse folclore com crítica ao controle/imposição social-religiosos.

Recife Metal Law - A parte gráfica veio num tom escuro, com imagens que remetem às capas de algumas bandas de Black Metal. Como foi trabalhado o conceito gráfico de “Whocantbenamed”?
Kalyl -
A temática lírica que descrevi acima foi repassada para o Hugo Silva, dono da Abacrombie INK, e ele nos apresentou a ideia de uma freira mórbida em meio à caatinga. Achamos sensacional!

Recife Metal Law - Já a produção sonora veio excelente, deixando bem audível toda a densidade e peso emanados da musicalidade do Heavenless. Toda a produção, gravação, masterização e mixagem ficaram a cargo de Cassio Zambotto, mas o encarte não informa em qual estúdio o disco foi gravado. O resultado final foi satisfatório?
Kalyl -
O processo de gravação se deu em uma cooperação com Cássio Zambotto, produtor residente de Natal/RN, que trouxe a ilha de gravação dele para o nosso próprio estúdio. Apesar de ser um ‘home-studio’, nós investimos há muito tempo em equipamentos, buscando as melhores referências possíveis. Então a gravação foi realizada de uma forma que não dá para passar vergonha. Para quem é rato de estúdio (nós gostamos muito quando as bandas fazem isso) e quer saber sobre os timbres, usamos para as guitarras um Orange Rockerverb 100 em paralelo à um Alien Monster 50 ligados numa caixa Orange 4x12; de pedal só um Tubescreamer da Ibanez. Para o baixo uma Ampeg Classic 8x10 empurrada por um Pedrone Violent Bass 100, com um OCD da Fulltone; bateria uma Pearl Reference, mas substituindo o bumbo original por dois DW Custom Collector 24x20. Todo os pratos são Zildjian K Series.

Recife Metal Law - A banda chegou a anunciar o lançamento de um EP para o início desse ano, mas não há informações acerca de tal lançamento? O que houve?
Kalyl -
Está havendo um atraso muito grande do produtor do disco em virtude de situações pessoais. Isso impediu nossos planos de lançá-las em janeiro de 2018. Então, diante da situação, fomos orientados por nossos selos - Rising Records e Black Hole - para aproveitar o embalo, continuar compondo e lançar outro full lenght.

Recife Metal Law - O Heavenless é uma das atrações do conceituado festival Abril Pro Rock, para este ano. Quais as expectativas que isso vem gerando para a banda e o que vocês esperam, em termos de participação e receptividade do público?
Kalyl -
O Abril Pro Rock tem uma moção especial para a banda, posto que influenciou diretamente no refinamento musical dos três, sobretudo do nosso baterista. Sempre estivemos como público e agora teremos outra visão do festival: a do palco. Nossa expectativa é enorme, esperamos que a receptividade seja monstra, visceral, como é de costume aos headbangers que comparecem em peso nos sábados do Festival.

Site: www.facebook.com/heavenless666

Entrevista por Valterlir Mendes
Fotos: Divulgação e Ghandi Guimarães

 
 
Busca no site
 
Veja tambm