Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Publicidade RML

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
   
Capa
Entrevistas
Equipe
Mural
News
Contato
Reviews
CD's
DVD's
Demos
Magazines
Shows
Multimídia
Fotos
Links
Bandas
Zines
Gravadoras
Rádios
Diversos

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
Untitled Document
 
 

Versão para impressão .

Enviar por e-mail .

Receber newsletter .

Versão PDF  .

Relatar Erro [erro]

 

Reviews Cds's

ALTERA O
TAMANHO DA LETRA
 

Recife Metal Law - O seu portal de informação!

 

BLACK SABBATH - 13


BLACK SABBATH
“13”
Universal Music – Nac.

Passei um tempo para fazer a resenha desse novo disco dos criadores do Heavy Metal. O ouvi calmamente, por diversas vezes. A empolgação inicial continua intacta. Li alguns comentários acerca desse disco, que a banda fez o que uma vez foi feito por ela mesma, mas, sinceramente, era isso justamente que eu queria ouvir: o velho Black Sabbath fazendo música como no início. Pena foi só a ausência do mestre das baquetas, Bill Ward. Não que o músico convidado, Brad Wilk (Rage Against the Machine, ex-Audioslave), não tenha feito um belo trabalho (inclusive mantendo as características do velho mestre intactas), mas muitos esperavam pela presença de Bill nessa nova reunião. Enfim, agora passou e o importante que esse álbum, com Ozzy Osborne nos vocais, após 35 anos, não decepciona os fãs do Black Sabbath. Aos primeiros riffs (sim, Tony Iommi continua o deus dos riffs, mostrando porque influenciou gerações e porque deve ser chamado do criador do Heavy Metal, juntamente com sua banda) de “End of the Beginning” é inevitável não ser remetido aos primórdios do Heavy Metal e do próprio Black Sabbath. Música densa, arrastada, fúnebre, pesada, numa espécie de “Black Sabbath” (a música) atual. Essa música e como se fosse uma “Black Sabbath II”. Ouvir uma música com essas características logo no início de “13” é de arrepiar. É para emocionar qualquer fã do Black Sabbath. Falei do baterista convidado, de Ozzy, Iomi, mas, de forma alguma, poderia deixar de mencionar o grande Geezer Butler e suas sempre inspiradas linhas de baixo. O baixo sempre foi um instrumento de grande destaque, até mesmo em razão do músico que é Geezer, pois não é nada fácil impor o instrumento em meio aos riffs e solos de Iommi. Geezer simplesmente destroça o instrumento e é de arrepiar cada “estilingada” que ele dá, cada base que ele faz. As músicas são, de certa forma, longas, e o ‘track list’ regular do álbum tem pouco mais de 50 minutos, mas, como era de se esperar, nada de enjoativas, repetitivas. É música feita por quem entende do traçado. Destaques? Eu poderia citar a pesada e mais veloz “Live Forever”, que traz um belo duelo entre Butler e Iommi, mas o álbum todo é perfeito! Todas as músicas são destaques, até “Zeitgeist”, que também é uma espécie de continuação, dessa vez para a psicodélica/viajante “Planet Caravan”, contida no álbum “Paranoid” (1971). O lado negativo – para mim – fui eu ter pegado a versão simples de “13”, com encarte pobre, sem fotos e trazendo apenas oito músicas, sem qualquer bônus. Mas, nem por isso, esse deixa de ser um dos álbuns que faz jus à carreira dos criadores. Ah, o finalzinho do CD faz menção ao início da banda, mais precisamente à música que dá nome ao Black Sabbath. Interessante e, ao mesmo tempo, deixou certa dúvida pairando...

Site: www.blacksabbath.com

Resenha por Valterlir Mendes

 
 
Busca no site
 
Veja tambm