Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Publicidade RML

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
   
Capa
Entrevistas
Equipe
Mural
News
Contato
Reviews
CD's
DVD's
Demos
Magazines
Shows
Multimídia
Fotos
Links
Bandas
Zines
Gravadoras
Rádios
Diversos

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
Untitled Document
 
 

Versão para impressão .

Enviar por e-mail .

Receber newsletter .

Versão PDF  .

Relatar Erro [erro]

 

Reviews Cds's

ALTERA O
TAMANHO DA LETRA
 

Recife Metal Law - O seu portal de informação!

 

THRASHERA - Morte Webbanger


THRASHERA
“Morte Webbanger”
Mutilation – Nac.


A máquina imparável de lançamentos, Thrashera, chega ao seu novo álbum, o qual recebe um título bem sugestivo. “Morte Webbanger” mantém a pegada insana do que foi o primeiro álbum, sem fugir das características principais do Thrashera: rápido, sujo, sem regras. A banda não abre concessões nesse disco. Não é algo indicado ao ‘mainstream’. Não é algo indicado a ouvidos polidos, sensíveis. É uma música em estado bruto, sem lapidação. É veloz e indicada aos amantes da música marginal, surgida no submundo. Mas não achem que aqui vamos encontrar algo mal feito, mal gravado. Pelo contrário. A gravação está bem melhor do que foi no seu álbum anterior. As letras são bem diretas, porém bem escritas. Na verdade, é um recado bem desaforado às estrelas que surgiram no Underground e, como o próprio título diz: aos headbangers de computador, além da típica crítica às religiões (“Sem Regras & Sem Deuses”) e até mesmo homenagem a forma de se viver o Heavy Metal (“Cães de Colete”). Musicalmente, para quem ainda não conhece o Thrashera, a banda está ainda mais Thrash Metal, sem deixar de lado levadas Punk/Hardcore (“Ranxerox”) e linhas Speed Metal, essa encontrada praticamente em todo o álbum. Outro diferencial, para o primeiro álbum, é a língua usada nesse “Morte Webbanger”. Antes a principal língua era o inglês e agora o português está em todas as letras, exceto em “Alive In Hell”. A arte de capa (feita pelo pernambucano Guga Burkhardt) ficou belíssima e traduz, em imagens, o título do disco. O CD vem envolto num bem cuidado digipack, com arte gráfica bem atrativa. Bem, apesar de ser um full lenght, o disco tem pouco mais de 26 minutos de duração, espalhados em oito músicas. É uma duração de um EP, mas o que mais importa é que o recado dado nessa curta duração é direto e veloz, como a faixa de abertura - “Velocidade” - nos diz. Mais um ótimo lançamento do Thrashera, que tem em sua formação Chakal (vocal), Anras Vardamir (baixo), Bode de Sade e Madcrusher (guitarras) e Surtur Impurus (bateria).

Contatos:
thrashera666@gmail.com
www.facebook.com/thrashera666

Resenha por Valterlir Mendes
 
 
Busca no site
 
Veja tambm