Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Publicidade RML

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
   
Capa
Entrevistas
Equipe
Mural
News
Contato
Reviews
CD's
DVD's
Demos
Magazines
Shows
Multimídia
Fotos
Links
Bandas
Zines
Gravadoras
Rádios
Diversos

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
Untitled Document
 
 

Versão para impressão .

Enviar por e-mail .

Receber newsletter .

Versão PDF  .

Relatar Erro [erro]

 

Reviews Cds's

ALTERA O
TAMANHO DA LETRA
 

Recife Metal Law - O seu portal de informação!

 

DORSAL ATLÂNTICA - Canudos


DORSAL ATLÂNTICA
“Canudos”
Independente – Nac.


Não consegui resenhar o “Imperium”. Ele está ali, na minha discografia da Dorsal Atlântica. “Canudos” eu recebi no final de novembro/2017, autografado por Carlos Lopes, com data de 16/11/2017. O disco fez parte de outra campanha e financiamento, e sua gravação foi possibilitada em razão do apoio dos fãs da banda (eu incluso). Mas, por quase três anos, eu não consegui sentir segurança para resenhar esse disco. É uma obra que vai além da musicalidade. Quando eu pus o CD para tocar foi igual a um ritual. Eu sou fã dessa banda, quem me conhece sabe muito bem disso, então foi algo para se ouvir com cuidado e sabendo que o que ouviria não era um simples disco de Heavy Metal. E foi esse o primeiro impacto, pois foi um disco que não foi digerido na primeira ouvida, nem na segunda, na terceira... É um disco com uma musicalidade muito complexa, mas soando Thrash Metal, em português, político, fazendo um paralelo, lírico, com a situação política do Brasil da época. Não se digere Dorsal Atlântica na primeira mordida, no caso, aqui, na primeira ouvida. E o disco começa com “Canudos”, uma instrumental, aí vem uma pedrada atrás da outra, sem ser aquele som usual, mas trazendo muito do que a banda já fez (difícil digerir isso, né?). Os temas são um dedo na ferida - “Não Temos nada a Temer”, “Um Minuto Antes da Batalha” - é tudo muito político, não irá agradar, liricamente, ao Headbanger que escuta som pelo som. Até porque a influência de música nordestina é muito latente e sem usar de batucadas. A parte instrumental é muito musical, mas sempre repleta de peso, com os vocais fazendo parte dessa musicalidade. Lembro que, na época, depois da segunda ouvida, viciei no disco, e foram ouvidas ininterruptas, para ouvir cada detalhe, cada parte lírica. Mesmo que eu discorde com algumas passagens líricas, sua maioria me representa. “Sonho Acabado” - por sua levada, mezzo Thrash, mezzo regional -; “Cocorobo” - atenção ao paralelo que essa música traça; a violenta - música e liricamente - “Gravata Vermelha”; falei sobre violência sonora? Então não deixe de ouvir o Thrash, praticamente um Hardcore, “Ordem e Progresso”... Esse disco, musical e liricamente, é um insulto (ao conservadorismo). Não é fácil de digerir e foge dos padrões, por isso soa tão Dorsal Atlântica. Gravação de alto nível. Produção gráfica irrepreensível... Ao lado de Carlos Lopes, nesse disco, Cláudio Lopes (baixo) e o falecido Américo Mortágua (bateria). Nunca haverá, novamente, um “Antes do Fim”. Mas haverá o legado da Dorsal Atlântica, sempre. Hoje mais um projeto que uma banda, mas trespassando o tempo e sem nunca se curvar aos modismos da música. Um disco fantástico, ainda mais para quem sempre entendeu o que a Dorsal Atlântica sempre quis dizer.

Site:
www.dorsalatlantica.com.br
www.facebook.com/dorsaloficial

Resenha por Valterlir Mendes
 
 
Busca no site
 
Veja tambm