Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Publicidade RML

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
   
Capa
Entrevistas
Equipe
Mural
News
Contato
Reviews
CD's
DVD's
Demos
Magazines
Shows
Multimídia
Fotos
Links
Bandas
Zines
Gravadoras
Rádios
Diversos

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
Untitled Document
 
 

Versão para impressão .

Enviar por e-mail .

Receber newsletter .

Versão PDF  .

Relatar Erro [erro]

 

Entrevistas

ALTERA O
TAMANHO DA LETRA
 

Recife Metal Law - O seu portal de informação!

 

COMANDO ETÍLICO



Eis que o Comando Etílico, após uma espera quase que interminável, lança seu segundo álbum de estúdio, “Heavy Metal Réu”. Com a mesma formação desde que deu início a sua formação - Hervall Padilha (vocal), Lucas Praxedes (guitarra), David Praxedes (baixo) e Kleber Barbosa (bateria) -, lá no longíquo ano de 2003, a banda pode ser considerada uma das maiores representantes brasileiras do Heavy Metal cantado em nossa língua pátria. E mesmo que tenha havia um lapso temporal tão grande entre o lançamento de seu primeiro álbum de estúdio e o mais recente, a banda sempre se manteve ativa, seja fazendo shows ou lançando single e videoclipe. O novo álbum sofre alguns percalços, como a perda, pelo estúdio, das gravações, o que fez com o Comando Etílico refizesse tudo e, com isso, houve atraso no lançamento. Na entrevista a seguir o vocalista Hervall nos conta os detalhes.


Recife Metal Law - Foram 10 anos até que o Comando Etílico lançasse o seu segundo álbum de estúdio.
Antes, porém, singles e muitos shows. No que os singles e shows durante esses anos ajudaram a moldar o que viria a ser o novo álbum?
Hervall Padilha -
Na verdade, foram nove e não dez anos. (risos) Nada foi programado quanto a lançarmos “Heavy Meta Réu” apenas em 2019. Muita coisa aconteceu e isso acabou por influenciar num intervalo tão longo entre um disco e outro. Nosso som é o mesmo desde o início de nossa carreira; nada foi reformulado ou diferentemente preparado para o disco atual. O primeiro single foi “Legado” e ele veio na condição de comemorarmos o aniversário de um ano do lançamento de “Comando Etílico”. Quanto a “Jonny Letal” como single, ele seria a preparação para receber/entregar “Heavy Metal Réu”... Foi quando perdemos tudo que havíamos feito em estúdio (captação, mixagem). Isso atrasou consideravelmente nosso cronograma. Coloque ainda os shows e viagens, além dos desencontros com datas para refazer o disco em estúdio. Mas, ao fim, vencemos.

Recife Metal Law - O álbum de estreia, homônimo, apresentou músicas que agradaram em cheio aos fãs
do Heavy Metal cantado em português, tanto pelas letras, de fácil assimilação, quanto por sua sonoridade. Durante as gravações do sucessor, de alguma forma, a banda se sentiu pressionada em apresentar um álbum tão bom ou melhor que o de estreia?
Hervall -
Não! Nossa única preocupação com relação ao público é entregar para ele uma música honesta, algo feito com paixão... Se for relevante ou não para quem nos ouve, isso é uma consequência natural do
processo. Tal como foi com nosso EP, com nosso disco homônimo e com os singles. É extremamente prazeroso ver o público cantando nossas músicas nos nossos shows, participando de forma efetiva de cada momento. Mas, nada é industrializado ou pensado para esse fim. Se nos preocuparmos apenas com o público, perderemos o coração de nossa música, que é a nossa essência contida em cada uma delas.

Recife Metal Law - As músicas “Legado” e “Jonny Letal” saíram como vídeo e single, respectivamente, porém apenas “Jonny Letal” entrou no ‘track list’ de “Heavy Metal Réu”. Por que não inserir “Legado”, também, no novo álbum?
Hervall -
Pelo motivo que citei numa resposta anterior. “Jonny Letal” já era parte do disco e a lançamos anteriormente para preparar o público para receber nosso novo álbum. “Legado” não entrou por não fazer parte desse plano. Mas, num lançamento vindouro, é possível que ela possa entrar, assim como outra de nosso EP, a exemplo do que fizemos com “Estação Antiga”.

Recife Metal Law - Esse novo álbum, de início, foi lançado digitalmente, no YouTube. A forma digital vem sendo abraçada por diversas bandas, principalmente por aquelas que trabalham de forma independente.
Vocês chegaram a cogitar em lançar o novo álbum apenas no formato digital ou ter esse lançamento em formato físico foi sempre a principal meta?
Hervall -
Lançamos nosso material no YouTube ao mesmo tempo em que a versão física estava sendo fabricada. A resposta do público foi positiva para ambos. O formato físico sempre será a nossa meta! Temos um envolvimento com a música que vai além do mundo virtual. O sistema digital é conveniente para algumas situações e nós também estamos lá. Sendo uma banda com 16 anos (agora em 2019), entendemos que nascemos na era digital e negar isso, além de burrice, seria uma completa falta de bom senso. Ouvir um disco antes de comprá-lo é algo maravilhoso. Alguns ‘Rockers’ mais novos não sabem, mas já houve um tempo em que você comprava um álbum e só iria ouvi-lo em casa. Se não gostasse, não tinha essa de voltar lá e trocar ou pedir sua grana de volta.

Recife Metal Law - Lançamento digital, banda independente, apoio financeiro para gravação zero... Encontrar um selo para lançar um álbum não é nada fácil, mas, mesmo assim, o Comando Etílico chegou a contatar algum selo para lançamento e distribuição desse novo álbum?
Hervall -
Certamente, Valterlir. Contatamos alguns e fomos contatados por outros. Ao fim, venceu o bom senso de sermos independentes (como sempre fomos). Propostas fantasmagóricas e condições de parceria que desvalorizam por completo a nossa obra. Estamos fora! Não somos famosos, mas somos limpinhos! Alguns até falam “matematicamente” (risos)... Como se, além de todo o investimento monetário que uma banda faz durante o processo de concepção de um álbum, a arte ainda pudesse ser mensurada.

Recife Metal Law - Algumas músicas/conteúdo lírico do novo disco fazem alusão ao modo de vida Headbanger, mas “Atlântida” segue outra temática... De onde veio a inspiração para as letras contidas em “Heavy Metal Réu”?
Hervall -
Crônicas do submundo das ruas sempre rodearam a poética de nossas letras. Tais temas são parte do que somos e do que nos propomos enquanto banda. Ao mesmo tempo em que sempre tivemos nos discos anteriores letras de conteúdo histórico ou mitológico, temas universais. Especificamente sobre a liberdade nos temas, não abrimos mão dela. Muitos imaginam o Comando Etílico como uma banda que só cria temas ligados a farra e som... Não é bem assim. Abordar temas distintos e meter o dedo na ferida dessa sociedade podre é necessário e salutar. “Heavy Metal Réu” traz o conceito de um representante do clero sendo julgado por seus crimes; “Rebelião” aborda uma revolta em prol da redenção de um povo oprimido; “Tormento” relata a força e coragem de um povo ao defender suas famílias de uma tirania escravocrata, etc. Tudo escrito de forma metafórica e atemporal. Ao passo que relatar nossas experiências do cotidiano também nos agrada.

Recife Metal Law - O início do álbum começa com a interessante instrumental “A Queda do Martelo”. Um bom modo de abrir um disco de Heavy Metal. Mas de onde surgiu a ideia de colocar esse título para essa música instrumental?
Hervall -
“A Queda do Martelo” representa o ato proferido por um Juiz ao inocentar ou condenar o réu. Sempre com um martelo ou malhete em punho. Esse título faz referência ao conceito impresso na capa de nosso disco.

Recife Metal Law - O título do álbum, bem como a sua capa, fazem alusão a clássicos do Heavy Metal. O intuito com a capa e o título foi de fazer uma homenagem ao Stress e ao falecido Dio?
Hervall -
Não! Sobre o título, é um jogo com palavras usando a fonética e nada mais que isso. O que seria a tradução livre para “Heavy Metal Hell”... “Heavy Metal Infernal”, transformou-se em “Réu”, referente a figura representada pelo padre, julgado e condenado por crimes escusos, etc. O Dio e a banda Stress são inspirações para nós, mas não neste caso. Muitas capas se parecem com muitas outras capas ao redor do mundo. Algumas realmente intencionais e outras não.

Recife Metal Law - O novo álbum traz uma regravação para “Estação Antiga”, música presente na Demo “Metal & Prazer” (2007). A música foi regravada para apenas fazer parte de um álbum do Comando Etílico ou há um carinho especial por ela, que desde os primórdios faz parte do ‘set list’ dos shows?
Hervall -
Pensamos em regravar uma música de nosso primeiro registro e “Estação Antiga” veio como escolha unânime. Foi realmente uma opção e não algo para preencher uma lacuna qualquer no disco. Essa música é especial para nós e para muitos bangers de Natal/RN, que fizeram e fazem parte de nossa carreira enquanto banda. Foi uma boa escolha.

Recife Metal Law - Atualmente uma banda de Heavy Metal não apenas lança discos ou tocam ao vivo. O leque de merchandising cresce cada vez mais, não ficando somente na venda de CDs ou camisetas. O Comando Etílico pretender enveredar por mais algum tipo de merchandising? Por exemplo, cerveja?
Hervall -
E por que não estaríamos? (risos). Mas o foco sempre será a produção musical e nunca a grana. Ainda precisamos compor e gravar o nosso disco perfeito e ele sempre será o próximo, pois essa busca nunca acaba. Sobre uma cerveja com nossa marca, isso seria muito interessante. Alguns papos já rolaram com alguns produtores de cervejas artesanais... Mas, sempre foram papos superficiais. A ideia existe... Talvez um
dia possamos brindar em comemoração a concretização desse projeto.

Recife Metal Law - Algumas músicas contidas no novo álbum já estavam sendo tocadas ao vivo. Com o lançamento desse disco, como será montado o ‘set list’?
Hervall -
Sim. Duas ou três músicas já vinham sendo executadas ao vivo antes mesmo de o disco ser lançado. O ‘set’ é montado de acordo com o que consideramos conveniente a cada show. Cada cidade por onde passamos/tocamos tem uma realidade distinta e isso influência muito no gosto musical de cada região. Algumas turmas gostam de sons mais rápidos, outras de sons mais pesados, etc. Nosso ‘set list’ não é “engessado”. Buscamos fazer um show que possa ser intenso em sua totalidade. Musicas como “Ritual” e “Rebelião” de nosso primeiro EP são sempre pedidas, ou seja, nosso ‘set’ costuma ser um apanhado de todos os nossos registros, variando músicas entre os shows.

Contatos:
contatocomandoetilico@gmail.com
www.facebook.com/bandacomandoetilico

Entrevista por Valterlir Mendes
Fotos: Divulgação, Red Queen

 
 
Busca no site
 
Veja tambm