Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Publicidade RML

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
   
Capa
Entrevistas
Equipe
Mural
News
Contato
Reviews
CD's
DVD's
Demos
Magazines
Shows
Multimídia
Fotos
Links
Bandas
Zines
Gravadoras
Rádios
Diversos

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
Untitled Document
 
 

Versão para impressão .

Enviar por e-mail .

Receber newsletter .

Versão PDF  .

Relatar Erro [erro]

 

Entrevistas

ALTERA O
TAMANHO DA LETRA
 

Recife Metal Law - O seu portal de informação!

 

AFFRONT



Affront surgiu com a ideia de seu líder, M.Mictian (baixo/vocal), explorar outro tipo de sonoridade. Isso porque antes do Affront, M.Mictian esteve com o Unearthly por anos. Unearthly que foi uma respeitada banda de Black Metal brasileira, lançando grandiosos álbuns e fazendo diversas turnês. Mas o foco aqui é o Affront, que em sua primeira formação tinha, além de M.Mictian, R.Rassan (guitarra) e Jedy Nahay, que foi o time que gravou o disco de estreia, “Angry Voices”. Já a segunda formação, que gravou o segundo álbum, “”World in Collapse”, teve mudança, com a saída de Jedy e a entrada de Leghor Supay (pseudônimo de Rafael Lobato) assumindo as baquetas. Mas, mesmo com o pouco tempo de formação, essa formação não durou muito tempo e, hoje, quem acompanha M.Mictian é Rafael Lobato (bateria) e Matt Silva (guitarra). Com dois álbuns lançados, o Affront já trabalha em seu terceiro disco. Na entrevista a seguir M.Mictian nos fala mais a respeito da banda e sua jornada.


Recife Metal Law – Antes do Affront havia o Unearthly, respeitada banda de Black Metal nacional. Por que com o fim do Unearthly M.Mictian decidiu por montar uma banda de Thrash e não prosseguir no Black Metal?
M.Mictian -
Antes de gravarmos o último álbum do Unearthly, eu já tinha a ideia de parar com a banda. Eu queria fazer algo novo, desafiador. O Unearthly já não mexia mais comigo e também eu tinha a vontade de fazer outro estilo e que sempre adorei desde de adolescente. Então comecei a moldar o Affront.

Recife Metal Law – A estreia da banda veio com “Angry Voices” (2016), álbum que traz um Thrash Metal raivoso, com nuances do Death Metal. A parte instrumental foi criada por M.Mictian e R.Rassan. Como não houve lançamento de uma Demo ou single anteriormente, essas músicas faziam tempo que já estavam sendo criadas por vocês dois?
M.Mictian -
Eu, assim que parei com o Unearthly, comecei a escrever riffs e vários esqueletos de músicas para um disco, quando convidei R.Rassan pegamos esses ‘esqueletos’ e fomos moldando, criando arranjos e os transformando em músicas, mas foi tudo muito rápido e feito no mesmo ano de lançamento do disco citado. E eu nunca tive intenção de lançar Demos do Affront.

Recife Metal Law – Mesmo apresentando um disco tipicamente Thrash Metal, a banda inseriu outros elementos musicais. Primeiro na instrumental “Terra sem Males (Guerra Guaranítica)”. Essa música é uma espécie de homenagem?
M.Mictian -
É uma homenagem ao Brasil, ao povo brasileiro; aos que realmente adoram nossas terras e não aos que se dizem patriotas e cultuam tradições de outras nações. (risos) Mas a ideia era poder mostrar como nossas raízes são ricas. Usamos alguns instrumentos indígenas (eu gravei todos), mas é uma canção
tipicamente instrumental e progressiva.

Recife Metal Law – Falando em homenagem, “Mestre do Barro”, música que até inclui um pandeiro, é uma clara homenagem ao Mestre Vitalino (Vitalino Pereira dos Santos, pernambucano - 10/07/1909 a 20/01/1963). Qual a razão da homenagem a esse ilustre pernambucano?
M.Mictian -
Como falei na resposta anterior, é uma homenagem ao Brasil mesmo. Eu sou filho de uma nordestina, sou bem apegado às tradições do Nordeste e do Brasil como um todo. A música começa com um “padeiro de Coco”, que é um ritmo antecessor ao Baião. Eu conheço vários artistas nordestinos e de todo Brasil, e que muitas vezes o próprio brasileiro nunca ouviu falar, e Mestre Vitalino merecia esta singela homenagem por tudo que ele representa. Infelizmente ele tem mais reconhecimento fora do Brasil do que por aqui.

Recife Metal Law – Como mencionado, “Angry Voices” foi lançado em 2016. Em termos de distribuição/alcance, o objetivo foi alcançado?
M.Mictian -
O disco saiu no Brasil e na Europa; foi muito bem recebido. Saímos em várias revistas pelo mundo. Foi interessante tudo que aconteceu com esse álbum, mas se você me perguntar intimamente, eu queria muito mais, e quero muito mais ainda com todos os outros discos que eu lançar.

Recife Metal Law – Não demorou muito e em 2018 o Affront lançou o segundo álbum, “World in Collapse”. Houve alguma sobra do álbum anterior, mesmo que apenas em ideias, que foram utilizadas nesse segundo disco?
M.Mictian -
Na verdade, “World in Collapse” acabou sendo lançado no início de 2019 por conta do atraso da fábrica em produzi-lo. Não tem nenhuma sobra do disco do anterior. Assim que terminei de compor e gravar “Angry Voices” eu comecei, em meio aos shows, a compor o “World in Collapse”, e sempre que eu tinha um
tempinho eu criava algo e guardava para lapidar depois.

Recife Metal Law – De um disco para o outro notei algumas sutis diferenças, na parte musical. Percebi inserções do Thrash Metal ‘old school’ em alguns riffs, algumas músicas. Mas, nas palavras da banda, do primeiro para o segundo álbum, quais são as principais diferenças?
M.Mictian -
No “World in Collapse” utilizamos mais riffs Thrash Metal. Não acredito que tenha muita coisa ‘old school’. Usamos muito de nossas influências de Thrash Metal e Metal em geral da década de 90, isso é bem claro e notável nas canções. Busquei deixar esse álbum bem parecido com o que eu ouvia nos meados e final dos anos 90.

Recife Metal Law – Ainda sobre mudanças, o primeiro disco teve na bateria Jedy Najay, o qual cedeu as baquetas para Rafael Lobato no segundo disco. A que se deveu a mudança nesse posto?
M.Mictian -
Nada de mais. Jedy voltou a morar na cidade onde morava com sua família e é bem longe do Rio de Janeiro; ficou inviável ele ensaiar todas as semanas e manter o mínimo de tempo para a banda e, assim, decidi que seria melhor ter um baterista mais perto de nós e que pudesse se dedicar melhor a banda.

Recife Metal Law – A temática lírica da banda se prende mais ao lado crítico/social, com letras que retratam as
mazelas, principalmente brasileiras, e críticas às religiões, principalmente ao cristianismo. O Affront tem como premissa apenas abordar tais temáticas?
M.Mictian -
Essas são temáticas que apareceram nos dois primeiros discos, mas o Thrash Metal me traz a possibilidade de eu falar em qualquer assunto sem me prender a nada. Talvez o próximo álbum traga mais assuntos que eu ache interesse em versar. No fundo e de
verdade, não quero me prender a nada, vou sempre escrever sobre o que eu achar relevante.

Recife Metal Law – Ainda sobre as letras, todas foram, novamente, escritas por M.Mictian. Há uma razão para que apenas você seja o letrista?
M.Mictian -
Eu fundei o Affront; eu criei toda atmosfera para essa banda, então quero que isso se mantenha, e trilhar sempre um caminho equilibrado e com isso não misturar muitas ideias. Eu prefiro que seja assim.

Recife Metal Law – Já a construção instrumental e arranjos ficaram, mais uma vez, por conta de M.Mictian e R.Rassan. Por que o baterista nunca participa da composição dos álbuns do Affront?
M.Mictian -
Trabalho, projetos, precisam de líderes, precisam que pessoas se mexam e façam algo acontecer. Muitas das vezes o músico não se interessa em escrever algo é quer somente participar com seu instrumento. “OK”, que seja, mas de certa forma ele está escrevendo a sua participação com seu instrumento. Várias e/ou muitas bandas são assim, não vejo nada de anormal nisso.

Recife Metal Law – A concepção de arte das capas foi criada por artistas diferentes. Marcelo Vasco criou a do primeiro álbum, enquanto que Edu Nascimentto foi responsável pela segunda. O que levou a banda a fazer a troca de artistas nas capas?
M.Mictian -
Marcelo Vasco é um excelente artista. Eu somente não queria repetir o mesmo artista naquele momento. Decidi buscar outra atmosfera, algo diferente para o segundo álbum, tentar trazer, talvez, ideia de cores, traços, formatos diferentes do primeiro álbum e isso funcionou muito bem como eu queria.

Recife Metal Law – Tendo em vista a pandemia e, ainda, o que o nosso país atravessa, politicamente falando, o que esperar do Affront  para um próximo disco?
M.Mictian -
Um disco de críticas, de guerra contra fascistas, contra injustiças, contra racismo e preconceitos. Um disco indo contra toda alienação que assola não só o Brasil, mas o mundo.

Contatos:
www.facebook.com/affrontmetal
affrontmetal@gmail.com

Entrevista por Valterlir Mendes
Fotos: Divulgação

 
 
Busca no site
 
Veja tambm