Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Publicidade RML

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
   
Capa
Entrevistas
Equipe
Mural
News
Contato
Reviews
CD's
DVD's
Demos
Magazines
Shows
Multimídia
Fotos
Links
Bandas
Zines
Gravadoras
Rádios
Diversos

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
Untitled Document
 
 

Versão para impressão .

Enviar por e-mail .

Receber newsletter .

Versão PDF  .

Relatar Erro [erro]

 

Reviews Cds's

ALTERA O
TAMANHO DA LETRA
 

Recife Metal Law - O seu portal de informação!

 

AFFRONT - World in Collapse


AFFRONT
“World in Collapse”
Rotthenness - Nac.


O segundo disco do Affront, “World in Collapse” não demorou a sair. Seu lançamento digital ocorreu em novembro/2018, mas o lançamento físico, em razão da demora da fábrica, só veio a ocorrer no início de 2019. Algumas mudanças são ouvidos nesse disco, em relação ao disco anterior. Vou começar pela produção sonora. Apesar de o disco ter sido gravado no mesmo estúdio, Musicalico Studio, e produzindo, novamente, por M.Mictian e R.Rassan, a parte de mixagem e masterização foi feita no DaTribo Studio, sob a batuta de Ciero. A gravação veio, por assim dizer, mais ‘seca’, porém sem afetar a audição, já que tudo está bem audível e definido. Outra mudança foi na formação. Além de M.Mictian (baixo/vocal) e R.Rassan (guitarra), “World in Collpase” teve na bateria Rafael Lobato. Isso pode ser apenas uma observação equivocada minha, mas achei o disco com uma levada trazendo sutis diferenças, na parte musical. Percebi inserções do Thrash Metal ‘old school’ em alguns riffs, algumas músicas, nos andamentos da bateria... Mas a agressividade ouvida no disco anterior se mantém intacta. Os vocais continuam raivosos, até mesmo mais raivosos que na estreia. Algo necessário, tendo em vista todo o teor lírico do disco, que novamente aborda caos social, críticas fervorosas ao que a banda acha como propagadores de todos os males que acontecem, além das típicas críticas às religiões organizadas. Esse novo disco vem com 11 faixas, nenhuma muito longa, e praticamente todas bem diretas. Dessa vez o disco não traz uma música em português, apesar do título “Favelas, Senzalas”. O título é em português, mas as letras em inglês. E a homenagem, dessa vez, foi para o maestro Heitor Villa Lobos, com a execução da música “Mazurka”, que encerra o álbum. O artista da capa, dessa vez, foi Edu Nascimentto, e a sua arte retrata bem o título, numa tonalidade em vermelho, que ilustra bem o que podemos encontrar, liricamente, no disco.

Contatos:
www.facebook.com/affrontmetal
affrontmetal@gmail.com

Resenha por Valterlir Mendes
 
 
Busca no site
 
Veja tambm