Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Publicidade RML

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
   
Capa
Entrevistas
Equipe
Mural
News
Contato
Reviews
CD's
DVD's
Demos
Magazines
Shows
Multimídia
Fotos
Links
Bandas
Zines
Gravadoras
Rádios
Diversos

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
Untitled Document
 
 

Versão para impressão .

Enviar por e-mail .

Receber newsletter .

Versão PDF  .

Relatar Erro [erro]

 

Reviews Cds's

ALTERA O
TAMANHO DA LETRA
 

Recife Metal Law - O seu portal de informação!

 

WARSHIPPER - Barren...


WARSHIPPER
“Barren...”
Heavy Metal Rock - Nac.


“Barren...” é o terceiro disco da carreira do Warshipper, tendo sido lançado, oficialmente, no final de agosto de 2020. E nesse período o que mais a banda colheu, com esse lançamento, foram críticas efusivas. Não é para menos. O novo álbum monstra uma banda ainda mais difícil de se rotular. Não, não deixou de soar Death Metal, até mesmo porque muitas músicas de “Barren...” soam mais Death Metal que no álbum anterior, “Black Sun” (2018), mas mantendo as características de andamentos mais compassados e até mesmo limpos em alguns sons. Voltando a falar sobre a sonoridade mais Death Metal, dois bons exemplos são “Barren Black” e “Respect”, essa segunda com os vocais de Fernanda Lira (Crypta, ex-Nervosa). Mas a banda não deixa de caminhar por outras vias, por assim dizer, visto que “Compulsive Trip” é uma das músicas mais diferentes do disco, com uso de sintetizadores e traz, como convidado, Fanttasma (Rafael Augusto Lopes). Outra que foge dos padrões do Death Metal é “Anagrams of Sorrow”, uma música semiacústica, com vocais bem diferenciados, quase ‘limpos’, tendo sua letra inspirada em um poema de Letícia Grégio. Enfim, musicalmente é um disco bem difícil de se rotular, como dantes mencionei. A banda insere muitos elementos em sua sonoridade, mas não é algo sem “pé e nem cabeça”. Tudo é inserido de forma harmoniosa, e tem uma razão para cada passagem. Sobre a temática lírica, o álbum contém letras muito bem escritas, fazendo diversos questionamentos. Para entender todo o contexto, necessário se faz ouvir o disco com calma, acompanhando as letras. Uma das curiosidades do disco, inclusive, já mencionado pela banda, é que as 11 músicas, pegando as primeiras letras de cada título, formam um anagrama de “Barren Black”, que é a primeira música do álbum. A capa vem numa tonalidade cinza, com uma arte que mostra uma árvore morta “florescendo” humanos, a cargo de Brenda Cassimiro, fazendo uma ligação com o título e as músicas contidas em “Barren...”. O álbum foi gravado no Casanegra Studio, sob a batuta de Rafael Lopes, vindo com uma gravação de alto nível. Com uma formação que se mantém estável desde o início do Warshipper - Rodolfo Nekathor (baixo), Renan Roveran (vocal/guitarra), Rafael Oliveira (guitarra) e Roger Costa (bateria) -, novamente a banda nos apresenta uma sonoridade muito rica, tem muitas mudanças de andamentos, alguns bem intrincados, fazendo de sua música algo bem singular e quase sem parâmetros. A arte gráfica, um livreto que traz letras, fotos da banda e as informações indispensáveis do álbum, é a finalização de forma adequada de um material de alto nível, seja musical, lírico ou visual.

Contatos:
www.facebook.com/warshipper
www.instagram.com/warshippermetal


Resenha por Valterlir Mendes
 
 
Busca no site
 
Veja tambm