Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Publicidade RML

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
   
Capa
Entrevistas
Equipe
Mural
News
Contato
Reviews
CD's
DVD's
Demos
Magazines
Shows
Multimídia
Fotos
Links
Bandas
Zines
Gravadoras
Rádios
Diversos

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
Untitled Document
 
 

Versão para impressão .

Enviar por e-mail .

Receber newsletter .

Versão PDF  .

Relatar Erro [erro]

 

Reviews Cds's

ALTERA O
TAMANHO DA LETRA
 

Recife Metal Law - O seu portal de informação!

 

BRAVE - The Oracle


BRAVE
“The Oracle”
Anti Posers - Nac.


Eu sempre achei bem interessante a nomenclatura para definir o som do Brave: Brutal Power Metal. E, apesar de achar a nomenclatura bem interessante, tinha ouvido muito pouco do som da banda. Porém, agora, com o seu novo álbum, “The Oracle”, eu pude ter total acesso ao que a banda faz, musicalmente. Mas vamos deixar de lado esse negócio de “Brutal Power Metal”, pois o que ouvimos nesse novo disco da banda - o terceiro da carreira - é Power Metal, sim, porém nada de “brutalidade”. O Brave trilha o caminho tradicional do estilo, algo mais voltado ao Heavy Metal mesmo, pois não há, no som da banda, aquela típica levada rápida do Power Metal. O som é mais pesado, isso sim. Voltado ao tradicionalismo do Heavy Metal, isso sim. Os vocais de Sidney Milano é que é algo não contumaz no estilo. Achei-o mais grave, mais forte. Não é aquele vocal de tons altos e agudos, também, altos. A parte instrumental mostra todo o poderio da banda e mostra como uma banda de Heavy Metal deve soar: pesada, com melodias bem construídas, riffs fortes e solos aparecendo a todo o momento. A criação das linhas de guitarras de Carlos Bertolazi, seja nos riffs, seja nos solos, agradará em cheio o fã mais exigente do estilo e, em alguns momentos, viajará no tempo, pois as raízes dos anos 80 aparecem, com força, nessa construção das linhas de guitarras. E Carlos é bem acompanhado pela ‘cozinha’ formada por Ricardo Carbonero no baixo - as linhas graves aparecem com clareza durante todo o disco - e Carlos Alexgrave na bateria, com linhas que não traz invenções, não são mirabolantes, ou seja, vão direto ao ponto. Músicas a citar, que são uma bom convite para o bate-cabeça? São várias, e me arrisco a dizer que todas as músicas do disco tem seus (ótimos) atrativos, a começar por “Firestorm”, com bom uso de backing vocals; “We Fight for Odin”, com vocalizações que alternam momentos mais ‘limpos’ e outros mais agressivos, nunca soando igual o tempo todo. Falando em não soar igual o tempo todo, em “Fall to the Empire” e “We Are Burn the Heart”, as duas últimas músicas do álbum, vêm numa levada cadenciada, com passagens semiacústicas, repletas de muito feeling... “The Oracle” é um disco com diversas opções, musicalmente falando. A gravação do disco está soberba. Tudo bem dosado, bem equalizado, com toda a produção sonora ficando a cargo do próprio Brave. Bem, se você é um fã incondicional do Heavy Metal nos moldes tradicionais, o que ainda espera para ter “The Oracle” em sua coleção?

Contatos: www.facebook.com/BravePowerMetal

Resenha por Valterlir Mendes
 
 
Busca no site
 
Veja tambm