Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Publicidade RML

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
   
Capa
Entrevistas
Equipe
Mural
News
Contato
Reviews
CD's
DVD's
Demos
Magazines
Shows
Multimídia
Fotos
Links
Bandas
Zines
Gravadoras
Rádios
Diversos

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
Untitled Document
 
 

Versão para impressão .

Enviar por e-mail .

Receber newsletter .

Versão PDF  .

Relatar Erro [erro]

 

Reviews Cds's

ALTERA O
TAMANHO DA LETRA
 

Recife Metal Law - O seu portal de informação!

 

ORTHOSTAT - Monolith of Time


ORTHOSTAT
“Monolith of Time”
Tales From The Pit/Vários - Nac.


O surgimento do Orthostat se deu em 2015 e, no ano seguinte, lançou uma Demo. Mas seu álbum de estreia, o aqui comentado “Monolith of Time”, apenas “deu as caras” em 2019, ou seja, quatro anos após a formação da banda. E, pelo visto, esse período até o lançamento do ‘debut’ fez muito bem, afinal, ouvimos um Orthostat (nome bem difícil e incomum, né?) destilando um Death Metal bem influenciado pela década de 1990, naquela linha mais primitiva, o que não significa que a música é rudimentar. Pelo contrário, o que ouvimos nesse álbum são músicas bem feitas, bem construídas, por vezes complexas, e músicos mostrando que entendem do traçado. A começar por “Ambaxtoi”, que impressiona pela musicalidade, que começa com murmúrios, gritos, como uma espécie de introdução, depois descamba para uma parte instrumental mais veloz, depois para momentos mais marcados e outros densos, em meio tempo no final, e isso é só a primeira música. Antes de continuar a analisar a musicalidade como um todo, devo mencionar a gravação, que está excelente. E, para o que a banda faz, sonoramente falando, não é algo comum de se ouvir. Está muito bem feita, bem nítida, deixando tudo bem equalizado e audível. Voltando a parte musical, “Qetesh”, segunda música, já vem “chutando tudo”, de início, mas alterna tais momentos ríspidos com andamentos em meio tempo. Isso é uma tônica no álbum. Os vocais de David Lago (também responsável por uma das guitarras) são totalmente guturais, cavernosos mesmo, o que deixa o Death Metal do Orthostat ideal para ouvidos mais ortodoxos. Outra coisa que não é comum no estilo feito pela banda é o tamanho das músicas. O disco, ao total, tem 10 músicas e 60 minutos de duração (são oito músicas de estúdio e duas ao vivo). Porém, devido aos vários andamentos contidos em cada música, elas não se tornam maçantes. A banda soube dosar peso, velocidade, rispidez e brutalidade, fazendo com que cada música tenha seu destaque, independentemente de sua duração. A temática lírica, como dá para ver em títulos como “Eridu”, “The Will of Ningirsu”, entre outros, abordar as civilizações antigas. A arte gráfica é bem caprichada, com um encarte contendo diversas páginas e, claro, trazendo tudo que é informação. E a banda mostrou coragem, já que logo no álbum de estreia trouxe uma capa que sequer menciona título do disco e nome da banda. Essa versão que recebi foi a lançada pelo selo Tales From The Pit e vários outros, numa versão limitada, mas o disco ganhou diversos lançamentos, por outros selos, inclusive no formato fita K-7. Orthostat, nesse disco de estreia, contou na sua formação, além do vocalista/guitarrista David Lago, com Eduardo Rochinski (baixo), Rudolph Hille (guitarra), tendo o apoio do baterista de estúdio Thiago Nogueira.

Contatos: www.facebook.com/OrthostatDM

Resenha por Valterlir Mendes
 
 
Busca no site
 
Veja tambm